Sinônimos enganosos

Saiba os falsos sinônimos para não cometer equívocos


EM PRINCÍPIO – Significa “em tese, teoricamente, por princípios”: “Em princípio (= por princípios religiosos), ele é contra o aborto”. Com o sentido de “inicialmente, num primeiro momento”, é melhor usar A PRINCÍPIO.

EM VEZ DE – Significa “em lugar de”. Deve ser usado para qualquer tipo de troca, de substituição: “Foi à praia em vez de ir à escola”; “Apertou o botão azul em vez do vermelho”; “Ronaldinho preferiu correr com a bola em vez de chutar”; “Imagine só tentar falar ao telefone e, em vez de uma pessoa do outro lado da linha, ouvir o sermão de uma rádio evangélica”.

EPIDEMIA/ENDEMIA/EPIZOOTIA – Epidemia – doença infecciosa de caráter transitório que atinge um grande número de pessoas numa área extensa. Endemia – doença infecciosa que ocorre habitualmente e com incidência significativa em determinada população ou região. Epidemia e endemia só devem ser usadas para seres humanos. Para animais, usamos epizootia.

ESCASSEZ – Ocorre quando “há pouco”: “As prateleiras dos supermercados quase vazias comprovam a escassez do produto.” Quando “não há”, ocorre falta: “A falta do produto é comprovada pelas prateleiras totalmente vazias”.

EVENTUAL – Significa “esporádico, ocasional, o que ocorre de vez em quando”. Uma “derrota eventual” é aquela que acontece de vez em quando. Não é sinônimo de possível nem de provável: “Oposição teme uma possível (e não eventual) derrota nas próximas eleições”; “O Barcelona é o provável (e não eventual) campeão espanhol desta temporada”.

EXPLICAR – É “esclarecer”. Não é sinônimo de justificar.

EXTORQUIR – É “arrancar, torcer para fora”. Só se pode extorquir “alguma coisa” de alguém. Uma pessoa não pode ser extorquida. A frase “A família foi extorquida pelos seqüestradores” é inaceitável. O certo é: “Os seqüestradores extorquiram dois milhões de reais da família… (= na voz ativa)” ou “Dois milhões de reais foram extorquidos pelos seqüestradores… (= na voz passiva). Só a “coisa” pode ser extorquida.

EXTRADITAR – Extradição é um acordo que há entre alguns países. Para extraditar, é preciso que haja a solicitação de outro país: “O Brasil solicitou a extradição de Cacciola.” Se não houver solicitação, pode ser expulsão: “O governo brasileiro queria expulsar o jornalista americano.” Expulsão é uma decisão unilateral.

FALÊNCIA – É mais adequado só usar para empresas. Para pessoas físicas, é melhor usar insolvência.

FAMILIAR – É preferível utilizar a palavra parente, por ser mais usual.

FATAL – É “que mata”. Portanto, não há “vítima fatal”. O acidente é que foi fatal: “Um acidente fatal com duas vítimas.”

FRONTEIRA – Usamos para países: “Na fronteira do Brasil com o Paraguai.”

GARANTIR – Só pode ser usado para quem tem o poder: “Estou vivendo o meu melhor momento”, garantiu o atacante. Não usar para quem não tem o poder de “garantir”: “Sérgio Cabral disse ou afirmou (e não garantiu) que Benedita será a candidata do PT (= não depende dele)”; “O técnico afirmou (e não garantiu) que o atacante estará totalmente recuperado até domingo”. É desnecessário “garantir o óbvio”: “O Brasil tem dimensões continentais, garantiu o presidente americano.”

GEMINADAS – Casas são geminadas, e não “germinadas”. Geminadas deriva de “gêmeo”, e germinada vem de “germe”.

GOLEADA – É o ato de golear, ou seja, vencer por uma grande diferença de gols. Segundo o senso comum, é necessário que o time vencedor tenha feito no mínimo quatro gols: “4 a 1, 4 a 0, 5 a 2…”. Não deve ser usada para designar o jogo em que houve muitos gols: “5 a 4, 7 a 5, 6 a 6”.

GREVE – Quem faz greve é empregado; patrão faz locaute.

COCA/COCAÍNA – Coca é a planta; e cocaína, a droga: “Mastigava folhas de coca”; “Era viciado em cocaína”.

COMERCIALIZAR – É mais do que simplesmente vender: “A empregada doméstica resolveu vender (e não comercializar) o carro importado que ganhou no sorteio do supermercado.” Quem comercializa um produto pode vender, comprar, trocar, alugar, financiar…

CONFISCAR – Não é sinônimo de desapropriar: “Os judeus tiveram seus bens confiscados durante a segunda grande guerra.” Se houver “indenização”, é desapropriação, e não confisco: “Para a reforma agrária, muitas terras foram desapropriadas.”

CONFLITO – Usado para designar “confusão”: “Na praça, houve um conflito generalizado”.

CONFRONTO – Só se houver “enfrentamento”: “Após o jogo, houve um confronto entre as torcidas do Flamengo e do Vasco.” Se houver apenas “confusão”, é melhor usar conflito.

CONTAMINADO – Contaminação é mais que poluição. Água com muita sujeira está poluída; com vírus, bactérias, agentes químicos… está contaminada.

DE ENCONTRO A – Significa “contra”: “O carro foi violentamente de encontro ao poste”; “A decisão do governo vai de encontro aos (= contra) anseios dos aposentados”. Não confunda com AO ENCONTRO DE, que é igual a “em apoio de”.

DEFICIENTE – É quando há “falta”: “Era um deficiente físico.”

DEFICITÁRIO – É o que sofreu déficit: “Foi uma campanha deficitária” (= deu prejuízo).

DENUNCIAR – Rigorosamente, só o Ministério Público (= um promotor) pode apresentar uma denúncia. Hoje em dia, no meio jornalístico, é aceitável o uso de denúncia como uma “revelação”: “…como foi denunciado ontem aqui no Jornal Nacional”. Devemos, entretanto, usar com cuidado e moderação. Exemplo inaceitável: “O Jornal Nacional denunciou (= mostrou) ontem a última viagem de um caminhão roubado no Paraná” (= nesse caso não há nenhuma denúncia).

DESCOLAMENTO – É o “ato de descolar, desgrudar”: “Sofreu o descolamento da retina.”

DESINFETAR – Não é sinônimo de esterilizar. Desinfetar é “limpar”; esterilizar é “tornar estéril, matar bactérias, vírus”: “É necessário desinfetar os banheiros e a cozinha”; “Todo dentista é obrigado a esterilizar seus instrumentos”.

DESLOCAMENTO – É o “ato de deslocar, mudar de lugar”: “Há a necessidade do deslocamento de todos os soldados que estão na região”.

DESPENCAR – No sentido de “cair, diminuir, descer”, só usar se houver idéia de “repentino ou queda muito grande”: “As bolsas européias despencaram (= queda muito acentuada)”; “Ele despencou para o oitavo lugar (= repentinamente ele caiu, por exemplo, do segundo para o oitavo lugar)”.

DISPARAR – No sentido de “subir ou crescer”, apresenta uma carga muito forte. É melhor usar subir ou crescer: “Ele começa a disparar (subir ou crescer) nas pesquisas de opinião” (= há subjetividade, uma carga perigosa). Deve ser evitado no sentido de “dizer”: “Ele é covarde”, disparou a atriz.

DIVISA – Usamos para estados: “Na divisa de Pernambuco com a Paraíba.”

DIZIMAR – Vem de dízimo, ou seja, a décima parte. Originariamente é a matança de um soldado em cada grupo de dez. Portanto, seria incoerente dizermos que uma raça foi “totalmente dizimada”. É melhor usar o verbo exterminar.

DUBLÊ – É um “substituto”. Não devemos usar para quem exerce “dupla função”: “O baiano Lindoberto, por exemplo, é um dublê de zagueiro e pescador”. Além de ser um lugar-comum, a palavra dublê apresenta uma clara carga depreciativa, pejorativa.

ACATAR – Significa “obedecer”: “Ele acatou as ordens do juiz”. Não é sinônimo de acolher: “O juiz da décima Vara Federal de Brasília, Marcus Vinícius Reis Bastos, acolheu (e não acatou) a denúncia do Ministério Público Federal contra os três”.

ADMITIR – Significa “reconhecer”. Apresenta carga negativa. É incoerente admitir uma “coisa positiva”: “Ele admitiu que está fazendo o maior sucesso” (= só seria possível se ele tivesse negado anteriormente). Em vez de “ele admitiu que errou”, é melhor “ele reconheceu o seu erro”; em vez de “ele admitiu que matou nove crianças”, é melhor “ele confessou que matou nove crianças”. Pode, também, provocar ambigüidade: “Igreja admite estupro de freiras por religiosos” (reconhece que houve ou permite que haja?). Por tudo isso, é bom tomar muito cuidado com o uso do verbo admitir.

ALTO – O preço é alto, mas o produto é caro: “O preço dos automóveis está muito alto”; “Este automóvel está muito caro”.

AO CONTRÁRIO DE – Só se forem “coisas opostas”. Se não forem “coisas opostas”, devemos dizer diferentemente: “Diferentemente do que publicamos ontem, Romário já fez 250 gols com a camisa do Vasco, e não 249.” Exemplo inaceitável: “Ao contrário do que foi dito, ele venceu oito e não sete corridas (= não são “coisas” opostas).

AO ENCONTRO DE – Significa “a favor”: “Ficamos felizes, porque as suas idéias vêm ao encontro das nossas necessidades”; “Qualidade é ir ao encontro das expectativas do cliente”.

AO INVÉS DE – Significa “ao contrário de”. Só pode ser usado se houver troca “por coisa oposta”: “Ele entrou à direita ao invés de entrar à esquerda”; “Subiu ao invés de descer”. Em caso de dúvida (= se a coisa é oposta ou não), use em vez de.

APARIÇÃO – Use somente em situações específicas (= algo repentino e surpreendente): “aparição de fantasmas, de discos voadores…” Em geral, use aparecimento: “Ficamos esperando pelo aparecimento da testemunha”.

ARBITRAGEM – É o “ato de arbitrar”. É bom não usar em lugar de árbitro: “A arbitragem não deu o pênalti.” Devemos dizer que “o árbitro não deu o pênalti”.

ARRUINADO – Significa “empobrecido, quem perdeu tudo”: “O rico empresário ficou arruinado”. Não devemos usar no sentido de “ficar em ruínas”: “O aeroporto ficou totalmente destruído (e não arruinado)”.

BAIXO/BARATO – O preço é baixo, mas o produto é barato: “O preço dos automóveis está muito baixo”; “Este automóvel está muito barato”.

BASTANTE – É “o que basta”. Significa “suficiente”: “Ele já tem provas bastantes ( = suficientes) para incriminá-la”. É bom evitar o uso da palavra bastante como advérbio de intensidade (= muito, suficientemente): “A moradora ficou muito (e não bastante) preocupada”. Pode provocar ambigüidade: “Ele comeu bastante” (muito ou suficiente?).

BIMENSAL/BIMESTRAL – Bimensal é “duas vezes por mês”; bimestral é “de dois em dois meses”.

CARIOCA – Refere-se à cidade do Rio de Janeiro. Portanto, o governador do Estado do Rio de Janeiro é fluminense, e não carioca. “A Federação confirmou que os dois jogos deste fim de semana pelo campeonato do Estado do Rio de Janeiro serão no Maracanã.” Devido ao uso consagrado, no caso do futebol, podemos usar “campeonato carioca”: “Flamengo é o atual campeão carioca”.

CHANCE – Use apenas no sentido positivo: “O Palmeiras tem a chance de ser campeão neste fim de semana.” Evite usar no sentido negativo: “Isso aumenta a chance de enfarte”; “A chance de ele ser condenado são enormes”. Nesses casos, prefira “risco, possibilidade ou probabilidade”.

———-

fonte: G1
Descência do Indescente

1 Comentário

  1. agosto 18, 2008 às 11:25 am

    muito bom- continue assim!


Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: