Estados da música

furacao_baiano_evolu.jpg

A revelação gaúcha

Também conhecida como “a promessa que vem dos pampas”, a revelação é um mal que assola o país desde que os primeiros Gessingers tiveram seus cabelos tingidos após a meia noite e passaram a aterrorizar a população civil com rimas-bomba esquecidas em discos sem alça. Os gaúchos prometem continuar lançando bandas-ruins sistemáticas na direção do Brasil até conquistarem sua independência e, finalmente, poder exercer o seu orgulho provinciano em paz sem nordestinos metidos a besta fazendo a bunda das gurias chacoalhar ao som de batuques africanos.

O suíngue carioca
Reflexo do “jeitinho brasileiro” em forma de música, o suíngue carioca estende seus tentáculos por todas as vertentes musicais produzidas no país (isso quando não é a própria origem da coisa – casos do Samba, da Bossa Nova e do Funk de Latrina). Mesmo que você crie um estilo ultra-revolucionário de rock no Acre ou música eletrônica de vanguarda no interior da Paraíba, não adianta fugir: na hora de “estourar no país” algum produtor mequetrefe vai meter uns pandeiros no meio da sua música ou, mesmo que você faça sucesso sem esse toque ‘ishperrrto’, alguma nova cantora-revelação surgirá fazendo uma versão de uma música sua “meio sambinha, meio eletrônico, com uma pitada de Tom e um cheirinho de D2”.

Os mineiros do
A história musical mineira é intrinsecamente ligada à política. Tiradentes ainda arrancava molares quando os filhos das Gerais já tentavam, sem sucesso, fazer música. O alferes teria se suicidado e esquartejado a si próprio após não agüentar mais ter os mineiros do Inconfidência Quest ensaiando ao lado do seu consultório. Já a ditadura militar acabou graças às ameaças dos mineiros do Clube da Esquina, que declararam: “ou o regime acaba ou haverá uma roda de violão para cada boteco deste país”. Pior ainda quando não se decidem entre inventar uma nova luta marcial ou fumar um, caso dos mineiros do Pato Fu e do Skank.

O furacão baiano
Sacudindo o país mais ou menos a cada 10 anos, o furacão baiano não poupa ninguém e costuma inundar as zonas costeiras, balançar as traseiras e reverter as estomacais sem dó nem piedade. Apesar de manter constante o seu nível musical potencialmente nocivo às regiões escrotais, o fenômeno nordestino ao menos vem aprimorando seu lado estético-visual ao longo do tempo. Estima-se que em 2030 um furacão baiano poderá ser, inclusive, mais bem pago que Gisele Bundchen e quem sabe engatar um romance com Roberto Justus.

fonte ressaca

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: